Imagem de Pai

Existe um homem que se esmera no cumprimento do dever para dar bom exemplo;
que fica humilde quando poderia se exaltar;
que chora a distância a fim de não ser observado;
que, com o coração dilacerado, se embrutece para se impor como juiz inflexível;
que, na ausência, usam-no como temor para evitar uma ação menos correta;
que, quase sempre, é chamado de desatualizado;
que, apenas fisicamente, passa o dia distante na labuta por um futuro melhor;
que, ao fim da jornada, avidamente, regressa ao lar para levar muito carinho e, às vezes, pouco receber;
que está sempre pronto para ofertar uma palavra orientadora ou relatar uma atitude benfazeja que possa ser imitada;
que, muitas vezes, passa noites mal dormidas a decifrar os segredinhos da vida, para transmitir ensinamentos sem as naturais vicissitudes;
que, quando extenuado, ainda consegue energias para distribuir confiança;
que é tão humano e sensível, por isso, normalmente, sente a ausência do afeto que lhe é dado raramente e de forma pouco comunicativa;
que, vibra, se emociona e se orgulha pelos feitos daqueles que tanto ama.
Esse homem, geralmente, se agiganta e passa a ser valor inexorável quando deixa de existir para sempre.
Nunca perca, pois, a oportunidade de devotar muito carinho e amizade àquele que é seu melhor amigo: SEU PAI.



Nota: “IMAGEM DE PAI”, consta da coletânea Bradesco, entre os melhores poemas do Brasil.

 

{jcomments on}

A Tornozeleira Salvadora

Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4

Invento originário dos Estados Unidos, país que possui dois milhões e meio de presidiários, onde o índice de reincidência é igual a 70%, e 5% dos que executados na cadeira elétrica, têm problemas mentais, a tornozeleira utilizada para rastrear o movimento de presos que cumprem pena nos regimes semi-aberto e aberto, acaba de ser adotada parcialmente também no Estado de São Paulo e, certamente, contaminará outros Estados, como algo capaz de solucionar, parcialmente, o caótico Sistema Prisional do Brasil. Quem se inteirar da tecnologia do aparelho ficará, com certeza, extasiado com tanta genialidade de seus inventores, e com a capacidade extraordinária de nossos mercadores de fantasias. Por absurdo que possa parecer lemos, há dias, declaração de um Secretário de Estado, que o uso da tornozeleira iria reeducar o preso.

Será que o uso da tornozeleira inibirá o traficante de no conforto de sua residência a agir criminosamente? Ou de comandar por telefone um grupo de assaltantes? De usar drogas e bebidas alcoólicas? De induzir a erros menores, inserindo-os no universo da criminalidade como vendedores de drogas? Tornozeleira e algema se confundem, já que se diferenciam só pelo local de uso e nada mais. Não importa a denominação que se dê a peça torturadora pois em qualquer circunstância fere o principio da confiança, da valorização humana e da filosofia: “matar o criminoso e salvar o homem” inserindo na Metodologia da APAC.

Se o uso da tornozeleira diminuísse a reincidência e a violência, seria aconselhável estudá-lo. Esse tipo de expediente esdrúxulo, e socialmente execrável, cria seqüelas, não adiciona nada de útil, pois ao final da pena o condenado, quer queiramos ou não, vai voltar ao convívio da sociedade e, embora, desobrigado do uso de qualquer dessas coisas abomináveis, o estigma permanecerá para sempre, sem diminuir a violência imperante.

A sociedade perderá com o gasto desnecessário de dinheiro público. Precisamos aumentar a auto-estima do recuperando (presidiário) estimulando-o e ensinando-o a vivenciar valores positivos que possam levá-lo a uma mudança de conduta. Prender e recuperar é o Ideal, como preconiza historicamente o direito positivo. A tornozeleira é um indutor depreciativo, uma manifestação de desconfiança. É a contra-mão do bom senso, e do Método APAC baseado na Valorização Humana. A adoção dessa medida é antípoda a àquela que defendemos, contrariando o ideal de todos que se empenham na gratificante missão de socializar o ser humano que cumpre pena privativa de liberdade, para atingir a dupla finalidade ética da pena: proteger o preso e a sociedade.

O mundo busca, a todo custo, alternativas que possam diminuir o crescente número de condenados que superlotam os presídios causando danos ao erário público. Os Estados Unidos, para exemplificar, não estaria usando o “MÉTODO APAC” nos Estados do Texas, Minissota e Nevada. Uma delegação de Italianos, recentemente, esteve visitando a APAC de Itauna para melhor conhecer o trabalho socializador ali desenvolvido para aplicá-lo na Itália.

Ora, somente em havendo envolvimento comunitário e a descentralização do sistema prisional, com cada cidade assumindo a esse problema social, e a outros similares, será possível alterar a situação reinante no Brasil, e que tende a se agravar, como vem ocorrendo, com constante aumento da violência e da criminalidade. Apenas construir presídios, não resolve. Quem não sabe que as prisões são escolas criminogênicas por excelência?

Devemos dissociar tudo quanto se aplica no falido sistema penitenciário, quer seja brasileiro ou importado, sempre eivado de imperfeições, eqüidistante de preocupações racionais, com o ser humano.

O Governador Dr. Geraldo Alckmim, não é apenas velho conhecido, é meu amigo desde a época em que era Prefeito de Pindamonhangaba, visitou como vice-governador a APAC-MÃE em São José dos Campos elogiando-a. Sabe, portanto, do que se trata.

O Sr. Dr. Flávio Durso, Presidente da secção Paulista da OAB foi, por 10 (dez) anos representante da APAC Joseense em São Paulo e, também conferencista no IV Congresso das APACs realizado em Itauna, MG. Conhece, pois, e de sobejo, a eficiência do trabalho Apaqueano, e de seus resultados positivos.

Eu, modéstia à parte, tenho 40 anos de experiência nessa área do direito, com vários livros editados e traduzidos em vários idiomas, inclusive em alemão.

O Governador de todos os Paulista deveria, isto sim, conhecer melhor a eficiência do Método APAC no Estado Mineiro, e de sua expansão pelo Brasil, ao invés de se acomodar com o fim das APACs no Estado, por picuinha de dois de seus Secretários na sua gestão anteriores. E, por fim, até quando o Tribunal de Justiça de São Paulo permanecerá inerte face ao Sistema Prisional Paulista, ignorando o eficiente trabalho desenvolvido em Minas Gerais pelo Projeto Novos Rumos na Execução Penal, que adota a APAC como o seu modelo naquele Estado?

 

 

*Advogado, Fundador da APAC, inspirador do seu Método e autor de mais de duas dezenas de livros

 

{jcomments on}

Valorize o que é nosso

Com o crescente índice de violência, criminalidade e superlotação dos presídios, desencadeou no país, uma epidemia comandada por neófitos em Execução Penal e legisladores desinformados, elaborando leis beneficiando criminosos de todos os tipos. A impunidade avança, estimulando os agentes anti-sociais à ação de lesar o próximo sem o risco de punição.

Leer más: Valorize o que é nosso

Feliz aniversário Mário Ottoboni!

No último dia 11 de setembro, Mário Ottoboni, fundador da APAC e inspirador de seu

método, completou 79 anos de idade. A equipe da FBAC deseja muita saúde, paz, alegria,

prosperidade, e principalmente, muitos e muitos anos de vida, para que possa continuar

seguindo como esse exemplo de luta em favor dos nossos irmãos presos, e para que

possa ver, cada vez mais, sua obra se expandir, levando a luz da esperança àqueles que se

encontram na mais absoluta escuridão.

 

 

Deus te abençoe Dr. Mário

Estamos juntos!

 

 

{jcomments on}

Imagem de Pai

Existe um homem que se esmera no cumprimento do dever para dar bom exemplo;

que fica humilde quando poderia se exaltar;

que chora a distância a fim de não ser observado;

que, com o coração dilacerado, se embrutece para se impor como juiz inflexível;

que, na ausência, usam-no como temor para evitar uma ação menos correta;

que, quase sempre, é chamado de desatualizado;

que, apenas fisicamente, passa o dia distante na labuta por um futuro melhor;

que, ao fim da jornada, avidamente, regressa ao lar para levar muito carinho e, às vezes, pouco receber;

que está sempre pronto para ofertar uma palavra orientadora ou relatar uma atitude benfazeja que possa ser imitada;

que, muitas vezes, passa noites mal dormidas a decifrar os segredinhos da vida, para transmitir ensinamentos sem as naturais vicissitudes;

que, quando extenuado, ainda consegue energias para distribuir confiança;

que é tão humano e sensível, por isso, normalmente, sente a ausência do afeto que lhe é dado raramente e de forma pouco comunicativa;

que, vibra, se emociona e se orgulha pelos feitos daqueles que tanto ama.

     Esse homem, geralmente, se agiganta e passa a ser valor inexorável quando deixa de existir para sempre.

     Nunca perca, pois, a oportunidade de devotar muito carinho e amizade àquele que é seu melhor amigo: SEU PAI.

 

Do livro "Cristo me Marcou", de Mário Ottoboni

 

Nota: “IMAGEM DE PAI”, consta da coletânea Bradesco, os melhores poemas do Brasil.

 

{comments}

Socios

  • assmg.jpg
  • avsi.jpg
  • avsibrasil.jpg
  • FIAT.jpg
  • governoMA.jpg
  • governomg.jpg
  • melt.jpg
  • MinaspelaPaz.jpg
  • mpmg.jpg
  • Novos rumos.jpg
  • projetec.jpg
  • seapmg.jpg
  • senac.jpg
  • sociedadebiblicadobrasil.JPG
  • tioflavio.jpg
  • tjma.jpg
  • UE.jpg