Mantena inaugura primeira etapa de construção da APAC

A comunidade de Mantena, na região mineira do Rio Doce, deu um importante salto para o aprimoramento da Justiça criminal ao inaugurar no domingo (28/6) a primeira etapa da obra de construção da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) da comarca. A entidade tem um método de trabalho que prima pela humanização do cumprimento das penas.

O primeiro bloco inaugurado — um prédio que irá abrigar a área administrativa da unidade —, assim como uma segunda edificação, cuja obra deverá ser concluída dentro de dois meses, foram financiados pelo Judiciário mineiro, por meio de recursos oriundos de penas pecuniárias. O valor total repassado foi de R$ 800 mil.

“A criação de uma Apac é sempre bem-vinda em uma sociedade que prestigia a dignidade da pessoa humana. Estamos tentando sair de uma tradição de banimento dos condenados para uma época de resgate do ser humano, e a Apac tem uma ótima metodologia nesse sentido”, avalia o desembargador Júlio Cezar Guttierrez, que representou na solenidade o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Nelson Missias de Morais.

Entusiasta da metodologia apaquiana, o desembargador Júlio Cezar Guttierrez, que é supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF) do Tribunal mineiro, teve papel importante nos esforços para a construção da unidade. Por isso, o bloco inaugurado conta com um auditório que foi batizado com o nome dele.

“Desde 2005, lutávamos para trazer uma unidade da Apac para Mantena, mas não conseguíamos. Foram muitas as dificuldades, e o desembargador Júlio Cezar Guttierrez veio se somar à nossa luta, tendo nos ajudado muito para essa conquista”, conta a presidente da unidade, Márcia Verly, explicando o motivo da homenagem.

Sobre a inauguração da primeira etapa da Apac de Mantena, a gestora declara que representa um passo importante para a realização de um antigo sonho. “Estamos caminhando aos poucos, e cada dia alcançamos um degrau. Agradeço a Deus por isso, pois o chefe é Ele; sou apenas uma funcionária que Ele escolheu para colocar aqui”, declara.

A gestora da Apac de Mantena lembra que a missão do método apaquiano é reintegrar à sociedade o ser humano que cometeu um crime. “Nós estamos aqui para estender a mão para esse preso, mostrar que ele é um ser humano e que é capaz de se recuperar”, ressalta.

De acordo com a presidente da unidade, a metodologia apaquiana busca oferecer uma nova vida e uma nova chance ao recuperando, mas os esforços vão além. “A Apac faz um trabalho muito bonito, que alcança também a família do réu e os familiares da vítima. Por isso, é uma honra para mim fazer parte disso”, declarou.

A UNIDADE

A Apac de Mantena terá um total de três blocos, construídos em um terreno com área de aproximadamente 25 mil metros quadrados. O primeiro bloco é o centro administrativo, inaugurado no domingo; o segundo, já em construção, será destinado ao regime semiaberto e terá 60 vagas; e o terceiro bloco, para o regime fechado, terá capacidade para 40 pessoas.

“Como a área onde a Apac de Mantena está sendo construída é muito extensa, nosso desejo é ter ali muitos espaços para o trabalho, como uma fábrica de blocos. Já temos também o projeto de uma horta, realizado por um engenheiro ambiental, para que ali possam ser produzidas hortaliças ao longo de todo o ano”, conta a presidente.

Entre outras possibilidades, ela cita também a expectativa de que o Centro de Reintegração Social (CRS), que leva o nome do idealizador da metodologia, o advogado Mário Ottoboni, abrigue também uma padaria e uma fábrica de móveis. O CRS é o espaço físico onde o método Apac ganha vida.

Ver mais: Portal TJMG

APAC de São João del Rei completa 12 anos

Neste sábado, dia 27 de junho, a APAC de São João del-Rei completou 12 anos de administração do Centro de Reintegração Social Franz de Castro Holzwarth. São 12 anos garantindo cumprimento de pena de acordo com as regras da Lei, com valorização humana, custo baixo e sem a presença de agentes penitenciários e polícia.

Nossa história começa em 2005, quando a juíza dra.Rosângela de Carvalho Monteiro convida representantes da sociedade civil para conhecer e implantar uma APAC na região. Do encontro, surgiu um grupo de voluntários - inclusive 2 presos do Presídio Regional - dipostos a viajar até a APAC de Itaúna/MG para conhecer o método e a filosofia desenvolvidas pelo brilhante dr. Mário Ottoboni. Por 3 anos, o grupo se desenvolveu, estudou e encontrou apoio de diferentes setores da sociedade - em especial o juiz dr. Ernane Barbosa Neves, que abraçou a causa. Em 2008, no Cassoco, nasce a primeira estrutura 100% apaquiana em São João del-Rei, depois de uma reforma feita pelos próprios presos do regime comum - com apoio incondicional da Comarca de São João del-Rei, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais e da FBAC. A reforma foi custeada pelas prefeituras de São João del-Rei, de Santa Cruz de Minas e Ritápolis, que doaram respectivamente R$80.000, R$4.000 e R$4.000.

Diferente de outros sistemas prisionais, na APAC o apenado ganha o nome de recuperando e eles são co-responsáveis pela sua recuperação. Carregam as chaves, cuidam da segurança, da limpeza, alimentação, contando com o suporte de funcionários e voluntários.

A história da APAC, perpassa pela vida de muita gente. Mais de 2.362 pessoas entraram pelos nossos portões e deixaram o delito do lado de fora. Centenas de voluntários e funcionários contribuem diariamente para recuperar indíviduos e comprovar que "do amor ninguém foge".

Antônio Carlos de Jesus Fuzatto, presidente da entidade, destaca "não tem APAC, sem voluntário". Ele próprio desenvolve a função de presidente da fundação de forma voluntária e empresta sua história para esta missão.

Pesquisa avalia violência no sistema prisional em Minas

Os resultados do primeiro estudo de vitimização da violência contra os presos, realizado no Brasil, foram apresentados ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) nesta quinta-feira (25/06), véspera do Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU).
A radiografia buscou retratar a dinâmica, a frequência e os elementos que compõem os fenômenos da violação de direitos humanos e de atos de tortura no sistema prisional de Minas Gerais.
O Estudo é fruto de uma parceria entre a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), da Associação Voluntários para o Serviço Internacional do Brasil (AVSI Brasil), do Ministério Público de Minas Gerais e da Sapori consutoria em Segurança Pública, agente executor da pesquisa.

O vice-presidente da AVSI Brasil, Jacopo Sabatiello, destaca também o fato de a pesquisa ser pioneira no Brasil, bem como os caminhos que ela pode apontar. “De um lado, ela pode fornecer dados científicos, recomendações e diretrizes para o aprimoramento da política pública penitenciária; de outro lado, pode promover um debate maduro sobre tratamento penitenciário e segurança pública de forma geral”, avalia.

A pesquisa
A apresentação dos dados foi feita pelo sociólogo especialista em segurança pública Flávio Sapori, que coordenou o estudo. Iniciada em agosto de 2019, a pesquisa foi desenvolvida ao longo de aproximadamente 10 meses junto à população carcerária de homens e mulheres cumprindo pena em 13 Apacs de Minas Gerais.
Foram entrevistados 1.374 recuperandos e 146 recuperandas — todos eles com significativa experiência de vida no sistema penitenciário convencional e acumulando diversas passagens por unidades prisionais, até chegarem a uma unidade Apac.
O sociólogo explicou que, além de traçar um diagnóstico sobre a incidência e as principais características da violência e dos maus-tratos no interior das prisões, o estudo analisa, por meio das entrevistas, as relações de causa e efeito dos fenômenos investigados.
O estudo também identifica aspectos positivos do cumprimento de pena nas Apacs e mapeia as oportunidades de melhoria, propondo também medidas e diretrizes para a elaboração de políticas públicas.
“A concepção de violação de direitos e de violência foi bem ampla. Nós consideramos violação de direitos e maus-tratos não apenas a violência física, mas também consideramos o fenômeno do ponto de vista da qualidade das assistências oferecidas aos presos”, explicou Sapori. Ao final da pesquisa, foi analisada a percepção dos presos em relação às Apacs, na comparação com o sistema comum.

 

A pesquisa e as APACs

A pesquisa realizou também testes estatísticos para verificar em que medida a qualidade das assistências recebidas pelos presos e presas, além dos respectivos perfis sociais, impactavam a chance de serem vítimas de algum tipo de violência física ou maus-tratos. E traz ainda indicadores sobre denunciação da violência sofrida.
Quanto às Apacs, a pesquisa apontou que a avaliação das assistências providas nas unidades é superior às do sistema prisional convencional. Em quase todos os tipos de assistências, as avaliações “muito melhor” e “melhor” são superiores a 90%, exceto “assistência médica” e “assistência odontológica” — respectivamente 89% e 78%.
Em quesitos como alimentação, saúde física, segurança física e oportunidades de trabalho, a avaliação positiva nas Apacs “está próxima dos 100%”, confirmando, segundo o estudo, “quão melhor é a qualidade das assistências providas pelas Apacs comparativamente às assistências providas pelo sistema prisional convencional.”

Com informações e fotografia: Portal TJMG

FBAC organizou manhã de Oração e Jejum das APACs

No dia 26 de junho, com o tema: "Atravessando a noite com Jesus", a FBAC organizou uma manha de oração, jejum, reflexão e motivação, em face da pandemia que assola o país. Foi transmitido online e todas as APACs de Minas Gerais, Espírito Santo, Maranhão, Paraná, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul projetaram para os recuperandos e colaboradores acompanharem. Vários voluntários acompanharam de suas residências. Desta forma, 3380 pessoas participaram da manhã, dos quais 2737 recuperandos, 509 funcionários e 134 voluntários. Também participaram do evento, de São Paulo, Padre Dimas de Paula Inácio e Cristina Ottoboni, e da Nicaragua, Dorestela  Medina, coordenadora regional da América Latina, da Prison Fellowship International (PFI). 

Ari de Jesus, Diretor Executivo de Gestão da FBAC, coordenou a manhã de oração e jejum. Recuperandos, voluntários e parceiros das APACs foram convidados para fazerem preces e orações pelas diversas situações enfrentadas pelas APACs, FBAC e pelo mundo, na atualidade.

O Diretor Geral da FBAC, Valdeci Ferreira, introduziu o momento, acolhendo a todos e convidando para que se colocassem inteiramente naquele momento, em profunda oração, suplicando a misericordia de Deus para toda a humanidade. "Foi muito difícil assinar um documento nos quais as visitas dos familiares seriam canceladas. Eu sei o quanto é dificil para vocês, recuperandos, ficarem sem suas visitas aos domingos. Mas precisamos cuidar uns dos outros e de nossas famílias. Juntos iremos atravessar por estes tempos difícieis. Deus está conosco. Vamos acreditar." Disse Valdeci emocionado.

Próximo à conclusão da manhã, a filha de Dr. Mário Ottoboni, Cristina Ottoboni, deixou uma belíssima mensagem para os presentes, os convidando para acreditar, confiar em Deus e seguir em frente neste momento difícil que as APACs atravessam. Cristina disse que tem um compromisso de orar pelas APACs e o faz com muita alegria e a certeza de que seu pai, Mário Ottoboni, está muito feliz com a caminhada das APACs. 

Alguns comentários dos participantes

1. Mais do que nunca, estou convicto de que a APAC é uma obra de Deus e que nenhuma tempestade irá danifica-la.

2. Estou muito feliz com o encontro de hoje. Com certeza foi o intervalo de quatro horas mais dignificantes de minha vida.

3. Agradeço imensamente por esta manhã, que me motivou para continuar sem medo.

A FBAC agradece a todos que participaram deste momento, refletindo, orando, jejuando e acreditando na presença misericordiosa do Deus da vida. "Estamos gratos a Deus por este momento tão bonito que vivenciamos nesta manhã. Foi uma manhã única na vida de todos. Tudo passa. Essa  pandemia irá passar. Fiquemos firmes. Confiemos no Deus da Vida e da misericórdia. Estamos juntos." Disse Valdeci.

Dorestela Medina, coordenadora regional da PFI

FBAC participa de inauguração na APAC de Patos de Minas/MG

O Diretor Geral da FBAC, Valdeci Antônio Ferreira, e o presidente do Conselho de Administração da FBAC, Dr. Luiz Carlos Rezende e Santos, que também é juiz auxiliar da presidência do TJMG, estiveram presentes na inauguração da APAC de Patos de Minas/MG.

Perto de encerrar uma gestão que entra para a história, o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, desembargador Nelson Missias de Morais, inaugurou nesta quinta- feira (25/06) o segundo anexo para recuperandos na Associação de Proteção ao Condenado (Apac) de Patos de Minas, cidade do Alto Paranaíba, a 400 km de Belo Horizonte.

O fato de ser um apaqueano assumido e de ter sido criado na cidade desde pequeno foram ingredientes que levaram muita emoção ao evento, que ocorre a poucos dias do encerramento de sua gestão à frente da Corte Mineira.

O novo Centro de Reintegração Social Doutor Mário Ottoboni, em Patos de Minas, foi ampliado em tempo recorde e agora tem capacidade para abrigar até 130 recuperandos. As obras foram feitas com a participação dos usuários da Apac.

Dr. Luiz Carlos Rezende Santos lembrou que há 45 dias esteve na Apac para tomar decisões fundamentais para a conclusão da obra. Ele agradeceu a todos os envolvidos no processo de ampliação e lembrou do empenho de cada um para que o cronograma fosse cumprido. “Daqui de Patos de Minas eu levo a gratidão”, resumiu o magistrado.

"Eu me sinto, quando inauguro uma APAC, feliz e absolutamente realizado, porque aqui nós estamos investindo em pessoas, aparentemente fragilizadas, pessoas que em determinado momento da vida cometeram um deslize, mas estão buscando um recomeço. O começo é para todos, o recomeço é para os grandes. E para mim, inaugurar uma APAC é algo que me toca fundo, porque eu participo desta metodologia APAC há mais de 20 anos. Em nossa gestão investimos muito nesta metodologia porque acreditamos nela. Ela é importante porque podemos devolver para a sociedade, as pessoas que dela saíram, muito melhores, porque aprendem um trabalho, uma profissão." Explicou Des. Nelson Missias de Moraes.

"Desde a criação da APAC foi uma caminhada exaustiva e agora, podemos ter, a exemplo de outras comarcas, o Centro de Reintegração Social, propondo uma metodologia mais eficaz de reabilitação." Disse Dr. Paulo Henrique Delicole, Promotor de Execuções Penais de Patos de Minas.

A presidente da APAC, Sra. Maria Abadia, fez um breve histórico da APAC durante a cerimônia. Segundo ela, "A APAC já existia há mais de 7 anos, com capacidade para receber um número limitado de recuperandos. Agora estamos ampliando nossa capacidade.  Inaugurar a APAC é a realização de um sonho. Hoje a APAC ganha nova vida e o nome de nosso fundador Dr. Mário Ottoboni, a quem dedicamos este centro."

A FBAC parabeniza todos os voluntários e colaboradores da APAC de Patos de Minas, que não mediram esforços para concretizar esta obra, e, mesmo diante de dificuldades e obstáculos, seguirem firmes adiante. Com certeza, a APAC de Patos de Minas dará passos para tornar-se modelo na aplicação da metodologia.

Participaram da solenidade o presidente Nelson Missias de Morais, acompanhados dos desembargadores do TJMG, André Amorim Siqueira, Maria Inês Souza e Paula Cunha e Silva; o juiz auxiliar da presidência e coordenador do Programa Novos Rumos, Luiz Carlos Rezende e Santos: a presidente da Apac de Patos de Minas, Maria Abadia Garcia Vecchi; o diretor da Comarca de Patos de Minas, juiz José Humberto da Silveira; a juíza da Vara de Execuções Penais de Patos de Minas, Solange de Borga Reimberg; o juiz da Comarca de Patos de Minas, Melchiades Fortes da Silva Filho; o promotor de Execuções Penais de Patos de Minas, Paulo Henrique Delicole; o Diretor Geral da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (Fbac), Valdeci Antônio Ferreira e vários representantes dos poderes executivo, legislativo e judiciário da cidade.

Com informações e fotografias do Portal TJMG

 

 

 

FBAC participa da inauguração da APAC de Patrocínio/MG

O Diretor Geral da FBAC, Valdeci Antônio Ferreira, e o presidente do Conselho de Administração da FBAC, Dr. Luiz Carlos Rezende e Santos, que também é juiz auxiliar da presidência do TJMG, estiveram presentes na inauguração da APAC de Patrocínio/MG.

O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, desembargador Nelson Missias de Morais, a poucos dias do encerramento de seu mandato, entregou nesta quinta-feira (25/6) o novo prédio da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Patrocínio, cidade do Alto Paranaíba, a 420km de Belo Horizonte. As obras de ampliação e reforma, iniciadas em 2017, terminaram nesta semana e deram à cidade uma nova Apac, que pouco tem a ver com as antigas instalações.

Participaram da cerimônia de entrega da obra o presidente Nelson Missias de Morais; os desembargadores André Amorim Siqueira, Maria Inês Souza e Paula Cunha e Silva; o juiz auxiliar da Presidência Luiz Carlos Rezende e Santos; a presidente da Apac local, Cleusa Maria e Silva; a juíza diretora do foro, Elisa Marco Antônio; a ex-juíza de Patrocínio, atualmente na Comarca de Araguari, Ana Regia Santos Chagas; o juiz da Vara de Execuções Penais, Bruno Henrique de Oliveira; o prefeito de Patrocínio, Deiró Moreira Marra; o promotor da Vara de Execuções Penais, Fábio Alves Bonfim; o presidente da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), Valdeci Antônio Ferreira; e autoridades dos poderes Judiciário, Legislativo e Executivo da cidade.

Durante a cerimônia, o presidente anunciou que o TJMG disponibilizará recursos para a construção e a cobertura da quadra de futebol, ainda inacabada. "Providenciem o projeto, que será aprovado por nós em 72 horas. Depois, podem cobrar do doutor Luiz Carlos", prometeu o presidente, arrancando aplausos dos presentes.  

As obras se iniciaram em 2017, com o repasse de verba feito pelo Tribunal de Justiça, e se intensificaram a partir de 2018, na gestão do atual presidente Nelson Missias. Com a pandemia, os presos do regime semiaberto foram liberados pela Justiça para cumprirem prisão domiciliar, mas ainda assim as obras continuaram.

Dona Cleuza, presidente da APAC se emocionou e disse: "Toda a obra foi erguida pelos próprios recuperandos. Contratamos apenas um profissional para rebocar paredes externas". Dona Cleuza mantém com os recuperandos uma relação maternal. "Se eles se rebelam, corto o futebol e a TV", sentencia Cleusa, citando exemplos de castigos imputados aos presos e deixando evidente a relação entre "mãe e filhos".

A FBAC agradece e parabeniza Dona Cleuza e seu marido João Geralda da Silva, Sr. "Joãozinho" por sua dedicação, empenho e trabalho à frente da APAC de Patrocínio, que, com certeza, dará passos grandes para tornar-se uma APAC modelo na aplicação da metodologia. Estamos juntos.

Com informações e fotografias extraídas Portal TJMG

 

Recuperandos de Apacs produzirão 350 mil máscaras para combate ao coronavírus

Cerca de 400 recuperandos e recuperandas de 23 Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APACs) de Minas Gerais e do Maranhão iniciaram, no início de junho, uma campanha coletiva. A meta é produzir 350 mil máscaras para o enfrentamento do novo coronavírus, que serão destinadas à sociedade.

Com o lema “Humanizar a pena, proteger a vida”, a campanha é uma realização da Associação Voluntários para o Serviço Internacional (AVSI Brasil), organização sem fins lucrativos que trabalha pela melhoria das condições de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade, e da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), entidade que assessora e fiscaliza as Apacs.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) é parceiro da iniciativa, assim como o Ministério Público de Minas Gerais, o Instituto Minas Pela Paz e o Tribunal de Justiça do Maranhão.

A ação faz parte do projeto “Más allá de las Fronteras”, que irá destinar R$ 350 mil para as Apacs envolvidas. Os recursos são provenientes da União Europeia, por meio do Instrumento Europeu para a Promoção da Democracia e dos Direitos Humanos (IEDDH), e serão utilizados para a compra de máquinas de costura e equipamentos de higienização e esterilização das máscaras, além de matéria-prima.

A campanha é uma realização da Associação Voluntários para o Serviço Internacional (AVSI Brasil), organização sem fins lucrativos que trabalha pela melhoria das condições de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade, e da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), entidade que assessora, congrega e fiscaliza as APACs.

“A AVSI desenvolve um trabalho de fôlego e de suma importância para a humanização do cumprimento das penas privativas de liberdade, e tem sido uma grande parceira do Judiciário mineiro na disseminação e no fortalecimento da metodologia Apac”, afirmou o presidente do TJMG, desembargador Nelson Missias de Morais.

De acordo com Jacopo Sabatiello, vice-presidente da AVSI Brasil, as máscaras produzidas serão entregues para as comunidades do entorno das Apacs, Secretarias de Saúde, asilos, órgãos públicos e instituições beneficentes, além de servirem para a proteção dos próprios recuperandos e funcionários das unidades. “Além de aprenderem um ofício, os recuperandos colaboram para que mais pessoas tenham acesso à prevenção com o uso das máscaras, diminuindo o contágio da covid-19. Essas características explicam o lema da campanha: ao mesmo tempo em que humanizamos as penas, ajudamos a proteger e promover vidas”, explicou.

Para o Diretor Geral da FBAC, Valdeci Ferreria, "as APACs estão dando sua contribuição para a sociedade, através da confecção de máscaras, mas sobretudo através da recuperação dos condenados. Através de 12 elementos, que são aplicados harmoniosamente, o Método APAC tem se mostrado eficiente e replicado em 12 países, sendo que a média de reincidência no Brasil é de 15%."

 

Projeto "Más Alla de las Fronteras"

O projeto Más Allá de Las Fronteras é fruto de uma parceria entre a AVSI e FBAC, com financiamento da União Europeia. Foi iniciado em novembro de 2017. A iniciativa tem como objetivo contribuir para o fortalecimento da sociedade civil no combate a atos de tortura, maus-tratos, penas cruéis, desumanas e degradantes, através da consolidação/expansão do método Apac em três países latino-americanos: Chile, Costa Rica e Paraguai.

 

APAC feminina de Pouso Alegre produz máscaras em parceria com SESC

Desde o dia 27 de abril de 2020, a APAC feminina de Pouso Alegre, em parceria com o SESC – Serviço Social do Comércio -, Instituto Minas Pela Paz, Brazil Foundation, FBAC e TJMG, iniciou a produção de máscaras, realizada elas recuperandas, em suas instalações.

Além da APAC de Pouso Alegre, as APACs feminina de Conselheiro Lafaiete e as masculinas de Santa Luzia, Campo Belo, São João del Rei, Manhuaçu e Caratinga, também produzem cerca de 200.000 mascaras no total, sendo que, 100.000 dessas máscaras, retornam ao SESC para que a instituição possa repassar à seus funcionários e também destinarem à doações. Com o apio da Brazil Foundation, o Minas pela Paz potencializou a produção das máscaras, permitindo que as APACs ficassem com um número maior de máscaras produzidas para serem doadas aos seus parceiros institucionais e também comercializarem parte da produção.

A APAC de Pouso Alegre produziu cerca de 25.000 máscaras, que, além das 14.500 encaminhadas para o SESC, começaram a ser doadas para parceiros institucionais, tais como: Mosteiro Padre Mário, Asilo Auxiliadora, Betânia e Madriguel, Pastoral e Centro Pop de Apoio a Moradores de Rua, Entidades de Apoio a Pacientes com Câncer – Lencinho com Carinho e Bem-Viver, CREAS - Centro de Referência Especializado em Assistência Social de Pouso Alegre e a Companhia de Jesus – Jesuítas de São Paulo..

Com o estímulo à produção de máscaras, pretendemos estimular as recuperandas e potencializar o trabalho e a oficina de costura na APAC, possibilitando que as internas se profissionalizem, e a APAC encontre estímulos para estarem integrados à comunidade, favorecendo para sua imagem junto a população. Com a doação das máscaras produzidas á instituições das comunidades onde a APAC está inserida, entendemos que serão criadas novas oportunidades para uma efetiva inclusão do público prisional.

Eneas Mello, Instituto Minas pela paz

A grade não educa

Antes da pandemia, a APAC-São João del-Rei recebia projetos multidisciplinares para valorizar a vida humana e capacitar nossos recuperandos. Os objetivos são diversos, mas a gente destaca o afeto, a socialização e o compartilhamento de conhecimentos, como pilares comuns a essas ativiades.

Nesta quinta-feira (4) relembramos um projeto de audio-visual realizado entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020. Cerca de 8 comunicadores, promoveram oficinas de audiovisual e expressão através da arte. O resultado são esquetes e um curtametragem - realizado inteiramente por recuperandos. Segundo a equipe, outras imagens foram gravadas e estão em processo de montagem e finalização para se tornar um documentário.

A produção do material é assinada pela Nômades Filmes e Anatólia Filme, feito em conjunto com o projeto de extensão "A Grade Não Educa", da UERJ. Um dos comunicadores, Lucas Andrade, fez um estudo audiovisual sobre privação de liberdade para seu mestrado, e compartilha sua experiência:

 

Você já conhecia a APAC e o método apaquiano?

"Sim. Tomei conhecimento do método em 2018. Em janeiro de 2019 conheci a APAC de São João del Rei e a partir de Julho do mesmo ano passamos a ir em grupo mensalmente no espaço para pensar a oficina e conhecer a dinâmica local."

 

Como foi entrar em contato com a vida dentro da APAC?

"De modo genérico, a reclusão de liberdade é algo que muitas vezes causa e mostra bastante sofrimento a todos os envolvidos. Porém, conhecer a APAC nos fez perceber que o cumprimento de pena pode se dar de maneira mais humana. Ainda sim, esse contato com a APAC nos fez perceber que não basta os voluntários e os recuperados estarem dispostos a buscar uma vida melhor para todos ali presentes, as instituições são poderosas e muitas vezes retrógradas, tornando tarefa ainda mais árdua a presença nesse espaço. Foi também interessante perceber a responsabilidade que a presença de alguém externo àquele espaço trás consigo. Afinal, no caso dos voluntários, que estão ali por livre e espontânea vontade, o papel da educação se torna primordial, afinal, é impossível está naquele lugar e não pensar em como reintegrar aquelas pessoas a vida social."

 

Além de audio-visual, outros temas foram debatidos por você e a equipe que te acompanhou. Como foi essa experiência?

"Algumas experiências mais pessoais e também dentro da oficina foram bastante ricas e impactantes. A partir de filmes e de situações cotidianas da vida, foi possível discutir racismo, homofobia e os mais diversos preconceitos presentes em nossa sociedade e também nas APACs."

 

A equipe da APAC acredita que ressocializar é um ato necessário e coletivo. Nosso presidente, Antônio Carlos de Jesus Fuzatto, informa "muita gente não foi nem socializada, nunca recebeu oportunidade, e vai receber aqui na APAC".

APAC feminina de BH inicia suas atividades

O Centro de Reintegração Social da APAC Feminina de Belo Horizonte iniciou suas atividades oficialmente nesta terça-feira, 12 de maio de 2020, ao acolher as cinco primeiras recuperandas, que, apesar de serem de Belo Horizonte, encontravam-se cumprindo pena nas APACs de Itaúna e Rio Piracicaba.

  

Primeira APAC feminina em uma capital, com capacidade para acolher 150 recuperandas, nos diferentes regimes de cumprimento de pena, APAC irá receber as recuperandas, gradativamente, por alguns meses, até que atinja sua capacidade máxima. 

 

O prédio, cedido pela Prefeitura de Belo Horizonte, foi totalmente reformado e adaptado com recursos de Penas Pecuniárias do Tribunal de Justiça (TJMG). Destaca-se o grande esforço de Dr. Luiz Carlos e Dr. Tomaz de Aquino para que a APAC se tornasse realidade. 

 

As recuperandas foram acolhidas pelos funcionários da APAC, pelo juiz da Comarca de BH, Dr. Marcelo Augusto Lucas Pereira, e pelo vice-presidente da APAC, Sr. Maurílio Leite Pedrosa. 

 

"Quero neste momento inicial, dar as boas vindas a vocês. Agradeço por aceitarem nosso pedido de transferência para a APAC de Belo Horizonte, a fim de contribuir com o início de nossas atividades. Esta APAC é fruto de muito trabalho. Saibam que não foi fácil chegar até aqui. O momento em que vivemos, de pandemia, é muito difícil, repleto de dificuldades, porém vamos caminhar, passo a passo para minimizar o sofrimento de todos. De nossa parte, podem esperar toda boa vontade. Nosso grande propósito com a APAC é permitir que vocês se recuperem. Esta APAC vai dar certo, se Deus quiser." Disse Dr. Marcelo às recuperandas.

A fim de preparar os funcionários para o início das atividades na APAC feminina de BH, a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), enviou dois de seus colaboradores para a unidade no início de maio. Desta forma,  Rinaldo Cláudio Guimarães, Gerente de Relações Institucionais, e Keila Cristina, inspetora de metodologia, primeiramente realizaram, um curso sobre o Método APAC, para os funcionários, com duração de uma semana. Irão permanecer juntos na unidade, nas semanas seguintes ao início das atividades, para acolher as recuperandas e contribuir com a adaptação da entidade à metodologia.

"Os tempos de Deus são diferentes dos nossos tempos. Ele quis que essa APAC nascesse em meio a maior pandemia que a humanidade já vivenciou, para nos dizer que o amor pelas suas filhas prisioneiras deve superar todo o medo e toda incredulidade." Disse Valdeci Ferreira, Diretor Geral da FBAC. 

 

A APAC é uma prisão humanizada, composta por 12 elementos. Conta com uma terapêutica própria, oferecendo todas as condições necessárias para que o condenado possa se recuperar. O índice de reincidência nas APACs femininas é de 6,75%. 

Saiba mais sobre a APAC, clicando aqui.

Espaços da APAC feminina.

 

 

 

FBAC realiza curso para funcionários na APAC feminina de BH

A FBAC ministrou no período de 05 a 08 de maio de 2020, o I Curso de Conhecimento sobre o Método APAC para os funcionários recém-contratados da APAC de Belo Horizonte (Unidade Feminina).

O curso contou com a participação de 17 funcionários e nesse período foram abordados os 12 Elementos e sua aplicação prática, normas de disciplina e segurança e, principalmente, uma abordagem acerca da Pedagogia da Presença.No segundo momento do curso, foi apresentado através do vídeo de rotinas das APACs, as atividades diárias que tem uma unidade e não, uniformidade, visto que algumas atividades poderão sofrer alteração de horários.

Ao final, o Colaborador da FBAC, Rinaldo Cláudio Guimarães ressaltou a importância de que todos os funcionários da APAC devem exercer suas atividades como funcionários, sem esquecer que antes, porém, foram chamados para serem missionários.

Outras notícias

FBAC PARTICIPA DO FÓRUM VIRTUAL DA REGIÃO LATINO-AMERICANA – SINERGIA 2021

26-05-2021

  Nos dias 25 e 26 de maio, a Prison Fellowship International (PFI) realizou o Fórum...

Leia mais

FBAC e APACs fazem luto

19-02-2021

FBAC e APACs fazem luto em virtude do falecimento da ex-presidente e voluntária benemérita da...

Leia mais

FBAC realiza I Curso de Conhecimento e Aperfeiçoamento para os recuperandos da APAC de Manhumirim-MG

01-02-2021

Aconteceu no período de 27 a 29 de janeiro de 2021, o I Curso de...

Leia mais

Projeto garante melhoria da produtividade na APAC de Manhuaçu

21-01-2021

A APAC está presente em Manhuaçu e viabiliza a recuperação e a reintegração social de condenados....

Leia mais

Nova unidade da Apac de Ituiutaba é inaugurada por Gilson Lemes

05-11-2020

O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Gilson Soares Lemes, inaugurou...

Leia mais

DEPEN E DEPEN-MG na APAC de SJDR para acompanhar aquisição de equipamentos de saúde

18-10-2020

Na quarta-feira (07), recebemos servidores do Departamento Penitenciário Nacional e de Minas Gerais (DEPEN/DEPEN-MG). Os...

Leia mais

APAC de Perdões inaugura sala de informática

19-08-2020

APAC de Perdões recebe visita do Diretor Geral da FBAC, Valdeci Ferreira, e inaugura sala...

Leia mais

APAC de Rio Piracicaba enfrenta pandemia com criatividade e muito trabalho

03-08-2020

O mês de Julho foi especial na APAC feminina de Rio Piracicaba, devido às diversas...

Leia mais

APACs DE FRUTAL DOAM MÁSCARAS PARA ASILO PIO XII

30-07-2020

A APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados de Frutal) colabora com o Asilo...

Leia mais

CAMPANHA HUMANIZAR A PENA. PROMOVER A VIDA JÁ ENTREGOU QUASE 40 MIL MÁSCARAS PARA A…

28-07-2020

Iniciativa da AVSI Brasil e FBAC, cofinanciada pela União Europeia,  tem como meta a produção de...

Leia mais

APAC de Inhapim combate a pandemia com criatividade e ousadia

17-07-2020

A APAC de Inhapim, desde o início da pandemia, viu-se compelida a fazer algo para...

Leia mais

APAC de Campo Belo doa máscaras para Vila Vicentina

15-07-2020

Doação de 540 máscaras para a Vila Vicentina Furtado de Menezes   Pr. Walter, presidente da APAC,...

Leia mais

APAC Arcos distribui máscaras de proteção para instituições da cidade

15-07-2020

Máscaras de Proteção estão sendo produzidas na Instituição pelos recuperandos do regime fechado No dia 14...

Leia mais

APAC de Santa Maria combate à pandemia com dedicação e empenho

10-07-2020

Desde que a pandemia começou, todos na APAC de Santa Maria (recuperandos, familiares, funcionários e...

Leia mais

APAC de Porto Alegre inicia confecção de máscaras

06-07-2020

A APAC de Porto Alegre/RS - Partenon, que tem como um de seus pilares a...

Leia mais

FBAC homenageia Des. Nelson Missias

05-07-2020

No dia 25 de março, a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), homenageou o...

Leia mais

Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac e APAC produzem máscaras de pano para proteção contra…

03-07-2020

As máscaras são grandes aliadas para evitar a proliferação da Covid-19. Devido à importância desse...

Leia mais

APAC de Itapecuru Mirim recebeu máquinas para confecção de máscaras

02-07-2020

A Associação de Proteção aos Condenados (APAC) de Itapecuru-Mirim recebeu, na quarta-feira, 1º de julho,...

Leia mais

Mantena inaugura primeira etapa de construção da APAC

30-06-2020

A comunidade de Mantena, na região mineira do Rio Doce, deu um importante salto para...

Leia mais

APAC de São João del Rei completa 12 anos

29-06-2020

Neste sábado, dia 27 de junho, a APAC de São João del-Rei completou 12 anos...

Leia mais

Pesquisa avalia violência no sistema prisional em Minas

29-06-2020

Os resultados do primeiro estudo de vitimização da violência contra os presos, realizado no Brasil,...

Leia mais

FBAC organizou manhã de Oração e Jejum das APACs

26-06-2020

No dia 26 de junho, com o tema: "Atravessando a noite com Jesus", a FBAC...

Leia mais

FBAC participa de inauguração na APAC de Patos de Minas/MG

26-06-2020

O Diretor Geral da FBAC, Valdeci Antônio Ferreira, e o presidente do Conselho de Administração...

Leia mais

FBAC participa da inauguração da APAC de Patrocínio/MG

26-06-2020

O Diretor Geral da FBAC, Valdeci Antônio Ferreira, e o presidente do Conselho de Administração...

Leia mais

Recuperandos de Apacs produzirão 350 mil máscaras para combate ao coronavírus

18-06-2020

Cerca de 400 recuperandos e recuperandas de 23 Associações de Proteção e Assistência aos Condenados...

Leia mais

Entregue a primeira leva de máscaras pela APAC São João del Rei

16-04-2020

Entregue a primeira leva de máscaras produzida pelos recuperandos da APAC Masculina e Feminina de...

Leia mais

APAC DE FRUTAL PARTICIPA DE MUTIRÃO DA LIMPEZA CONTRA O COVID-19

11-04-2020

Uma equipe de recuperandos do Regime Semiaberto com autorização para o trabalho externo colaborou, de...

Leia mais

APAC DE PASSOS ENFRENTA PANDEMIA COM REFORMA DE HOSPITAL

09-04-2020

A Associação de Proteção e Assistência aos Condenados, APAC, visa recuperar o preso, proteger a...

Leia mais

Parceiros

  • assmg.jpg
  • avsi.jpg
  • avsibrasil.jpg
  • defensoriamg.jpg
  • governoMA.jpg
  • isvor.jpg
  • logogoverno.png
  • melt.jpg
  • MinaspelaPaz.jpg
  • mpmg.jpg
  • Novos rumos.jpg
  • seapmg.jpg
  • senac.jpg
  • sociedadebiblicadobrasil.JPG
  • tioflavio.jpg
  • tjma.jpg
  • tjmg.png
  • UE.jpg